EMPREENDEDORISMO

Cenário econômico amapaense começa a mudar com cartórios de protesto

As vantagens na utilização dos serviços dos cartórios de protesto estão na simplicidade inicial da operação, explica tabelião do Cartório Jucá Cruz
SIMPLICIDADE E RAPIDEZ — Francisco Cruz Júnior enaltece eficiência do mecanismo de cobrança via cartórios
Por Emanoel Reis

Em tempos de inadimplência alcançando patamares estratosféricos devido, sobretudo, a crise financeira minando as bases da economia nacional, o ambiente de negócios no Amapá conta com um instrumento de cobrança de dívidas mais simples, super seguro e altamente eficiente: os cartórios de protesto. Qualquer pessoa, física ou jurídica, pode utilizar o serviço para formalizar a falta de pagamento de uma dívida. E, conforme as estatísticas do Instituto de Estudos de Protesto de Títulos do Brasil (IEPTB), mais de 80% das dívidas protestadas são pagas. É o que revelam os dados coletados ano passado. De acordo com o levantamento, cerca de 26.728 títulos foram protestados junto aos cartórios em todo o Brasil, resultando no ingresso de R$ 171 milhões nos cofres públicos.
Para o bacharel em Direito Francisco Erionaldo Cruz Júnior, tabelião do Cartório Jucá Cruz, localizado na rua Tiradentes, Centro de Macapá, o protesto é uma forma de cobrança oficial que o credor pode fazer para receber uma dívida que não foi paga. Ou seja, segundo Cruz Júnior o protesto é simplesmente o registro de uma dívida de um cliente junto a um cartório.”Por exemplo, atualmente o que mais circula no comércio é a duplicata, conhecida popularmente como boleto. Então, o protesto é uma forma do credor cobrar um boleto que não foi pago.”
As vantagens na utilização dos serviços dos cartórios de protesto estão na simplicidade inicial da operação. Cruz Júnior explica que basta preencher um formulário online e apresentar os documentos que comprovem a existência do débito. Cheques, notas promissórias, boletos (duplicatas) mercantis e de prestação de serviço, letras de câmbio, cédulas de crédito bancário são considerados títulos executivos extrajudiciais cobrados pelos cartórios de protesto. As vantagens sobre o SPC/Serasa são o custo mais baixo e o amplo alcance da cobrança. De acordo com o tabelião do Cartório Jucá Cruz, o sistema pode encontrar pessoas físicas e jurídicas em qualquer lugar do país e agilizar a cobrança de uma forma mais eficiente.
Francisco Erionaldo Cruz Júnior comunga da mesma opinião do vice-presidente dos Cartórios de Protesto do Brasil, Cláudio Marçal Freire: os cartórios têm papel preponderante no crescimento da economia. Este é o mesmo entendimento de Cruz Júnior. Ao simplificar a cobrança de títulos protestados, os cartórios contribuem para o desenvolvimento econômico já que as empresas beneficiadas com o recebimento dos recursos devidos ficam em situação financeira mais saudável e, sendo assim, podem gerar mais empregos.

Anúncios