POLÍTICA

LIBERDADE NA WEB

Ação do STF em redes sociais representa ameaça à liberdade de expressão, alertam entidades

Argumento “genérico” do ministro Alexandre de Moraes pode ser usado contra movimentos e ativistas, segundo organizações
Por Erick Gimenes

A ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), para bloquear perfis de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cria brecha para que qualquer cidadão seja silenciado sem o devido direito à defesa, segundo organizações que estudam e defendem a liberdade de expressão na internet.

A decisão foi proferida na sexta-feira (24), no âmbito de um inquérito que investiga a propagação de fake news, principalmente em ataque a ministros da Corte e ao Congresso Nacional.
Moraes mandou suspender 16 contas de bolsonaristas suspeitos de espalhar mentiras, sob o argumento de que era “necessário para a interrupção dos discursos com conteúdo de ódio, subversão da ordem e incentivo à quebra da normalidade institucional e democrática”.
A justificativa do ministro é vaga e abre precedente para a perseguição de movimentos sociais e ativistas, por exemplo, afirma a pesquisadora Raquel Saraiva, presidenta e fundadora do Instituto de Pesquisa em Direito e Tecnologia do Recife (IP.rec).
“Esse mesmo precedente pode ser usado em outras situações, por outros juízes ou ministros, que tenham um outro alinhamento político. Todo o pessoal de movimentos sociais pode vir a ser criminalizado depois e ter suas contas caladas, com base nessa mesma decisão. Estamos falando de termos muito genéricos, muito abertos”, comenta.

Direito de defesa
Segundo Saraiva, outro agravante é que a decisão foi tomada no âmbito de um inquérito – ou seja, em uma fase preliminar a um processo judicial, de investigação, quando não há ainda abertura para que os suspeitos tenham a chance de se defender.
A ativista pondera que a decisão de Moraes pode servir de exemplo para que juízes de instâncias inferiores apliquem o mesmo argumento para cercear manifestações de usuários de redes sociais.
“Ela não é, propriamente, vinculante em relação às instâncias inferiores, mas é um exemplo, uma porta que se abre, um caminho novo que as autoridades ainda não tinham aberto e que pode ser usado como espelho para juízes de instâncias inferiores”, diz.

Clique na imagem

A jornalista Marina Pita, coordenadora-executiva do coletivo Brasil de Comunicação Social (Intervozes), defende que, caso comprovados os crimes, o ideal seria que o foco fosse que o conteúdo fosse removido, não o canal pelo qual ele foi propagado.
“O que levanta bastante preocupação é que não foram retirados conteúdos que foram considerados ilegais, mas sim perfis inteiros, em uma perspectiva futura, no sentindo de ‘nós estamos, cautelarmente, tomando medidas para que essas pessoas não possam se expressar’”, avalia.

Mais cautela
Marina Pita pondera que há limitação para a liberdade de expressão, mas restrições devem observar critérios rigorosos. “A liberdade de expressão não é um direito absoluto, mas a gente entende que a sua limitação deve ocorrer de forma estrita e justificada, observando os princípios da legalidade, da necessidade e da proporcionalidade”.
Para Marina, defender que o processo seja mais cuidadoso por parte do STF não significa absolver os agressores. O que se pede, diz ela, é mais clareza na argumentação e melhor garantia de defesa.
“Não é que a gente está dizendo que não há justificativa para os bloqueios. É que não há explicação pública, até o momento. A gente precisa de mais informações. Como ainda é uma fase de inquérito, não é uma fase de processo, talvez fosse o caso de ser mais cuidadoso. A gente segue muito atento, entendendo que um abuso não justifica um outro abuso. O abuso de um grupo organizado na sociedade não justifica um abuso pelo Poder Judiciário. É preciso estar atento para verificar se há um abuso nesse processo”, reflete.


PT tem 10 contas de WhatsApp suspensas por supostos disparos em massa

Aplicativo suspeita de que o PT tenha feito disparos em massa ; a direção do partido nega conhecer esquema e ameaça processar “os responsáveis” pela suspensão das contas

O Partido dos Trabalhadores (PT), sigla do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, teve 10 contas no WhatsApp suspensas nas últimas semanas por supostos disparos em massa.
Os bloqueios começaram a ocorrer em 25 de junho, alguns dias antes da votação do PL das Fake News. A sigla confirmou a informação, mas disse que o WhatsApp não explicou o motivo da ação e culpa o aplicativo por falta de transparência.
À deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-RS), presidente do partido, a empresa afirmou não ter razões suficientes para acreditar que as atividades da conta foram violadas e que, por isso, decidiu mantê-la banida.

“Nós recebemos um alto volume de reclamações sobre a sua conta. Nós não podemos liberar informações a respeito destas reclamações, pois seria violação de privacidade do usuário”, disse o WhatsApp.
Em nota, o PT informou que as mensagens são enviadas por linhas de transmissão para números de telefone cadastrados voluntariamente e que, portanto, não se trata de spam, tampouco disparos em massa.
“O contrato com a empresa que organiza o envio das mensagens determina que o serviço tem de obedecer rigorosamente as normas do WhatsApp”, informou a sigla, em nota.
“O Zap do PT é um canal institucional do partido com seus filiados e simpatizantes, por meio do qual são transmitidas notícias, informações, mensagens e orientações”, prosseguiu.

Como funciona o spam na plataforma WhatsApp

O WhatsApp oferece um serviço voltado para empresas, chamado WhatsApp for Business, com alguns recursos adicionais. É possível configurar mensagens automáticas de boas-vindas e avisos de ausência, além de conferir estatísticas básicas — quantas mensagens foram recebidas, enviadas, entregues e lidas.
No entanto, o esquema de spam não usa parceiros autorizados do WhatsApp for Business. Em vez disso, as empresas fingem ser pessoas físicas para compartilhar mensagens, o que viola a política de uso do aplicativo.
E se você acha que isso é uma exclusividade do WhatsApp, está enganado. “O WhatsApp é o principal, mas não está só: acontece no Telegram e no Messenger também, embora em menor quantidade”, diz o advogado Rafael Pellon.


TORNE-SE ASSINANTE DESTE SITE 

Faça uma assinatura anual por apenas R$ 9,99 e torne-se mantenedor universal deste site.
É simples: preencha e envie o cadastro abaixo, em seguida, deposite em nome de
Emanoel Reis, Banco do Brasil, Conta 97045-X – Agência 2825-8, o valor correspondente
à sua assinatura (R$ 9,99). Envie para o e-mail pautamcp@gmail.com cópia digitalizada do
comprovante de seu pagamento. Concluída esta operação, você receberá em seu e-mail
as SENHAS exclusivas para acessar todas as reportagens especiais publicadas neste site.
Participe desta grande corrente de apoio à Imprensa Livre.
Assine o Amazônia Via Amapá.